Geraldo, o comedor

Geraldo, do alto de seus cinquenta e poucos anos, transbordava confiança e masculinidade. No bar com os amigos, todos casados, contava seguidas vezes as histórias de conquistas amorosas dos tempos de solteiro. Não podia ver uma mulher sem lançar seu olhar indiscreto ou soltar um gracejo infeliz.

Vânia aguentou suas grosserias por mais de vinte anos e largou o casamento acreditando erroneamente que ele tivesse uma amante.

Ao ficar solteiro novamente, Geraldo recorreu a ajuda de acompanhantes profissionais e não deixou a peteca cair para os amigos. Contava suas façanhas, como se as mocinhas de bordeis tivessem imenso prazer em estar com ele.

Geraldo era um homem bonito, seu queixo dividido lembrava o do Michael Douglas e os olhos verdes eram hipnotizantes. Assim, quando recorreu a aplicativos de paquera, logo conseguiu alguns contatos. O mais marcante foi com Raquel.

Raquel, aos 39 anos, era uma gata de provocar suspiros. Tinha um jeito um tanto vulgar, roupas provocantes e gosto confesso por machos alpha.

Em pouco tempo os dois estabeleceram uma conversa pra lá de caliente e teriam se encontrado se ela morasse mais perto. Raquel era de Ribeirão Preto. Com tantos compromissos, as conversas tiveram de ser restritas ao Whatsapp antes de um “date” de verdade.

E quanto mais conversa, maiores eram as promessas de uma noite épica. Geraldo descrevia seu pinto como se fosse a lança de um cavaleiro medieval e Raquel previa tudo o que faria com tal órgão, de todas as maneiras imagináveis e por diversas vezes. A conversa deles era mais erótica que filme pornô dos anos 70.

Eles marcaram finalmente a data da noite de amor. Geraldo iria no sábado para Ribeirão Preto e Raquel lhe prometera realizar tudo o que falavam e muito mais.

Porém, conforme o encontro se aproximava, Geraldo parecia se preocupar. Ele começou a pensar que nunca foi o amante que prometera nas conversas. Na verdade, mal se lembrava de como era transar com alguém que não fosse a Vânia. Nos últimos 10 ou 12 anos nunca fizera uma posição diferente do papai e mamãe e nas poucas saídas com prostitutas, mal tinha conseguido uma ereção.

No sábado tão esperado, Geraldo pegou a estrada mas não chegou a Ribeirão Preto. Parou em Jundiaí onde se hospedou num hotel com pesque e pague. Bloqueou Raquel do Whatsapp e passou o fim de semana a fisgar traíras e tilápias. Teve bastante tempo para inventar as histórias picantes que contaria para os amigos na segunda-feira.

2 comentários

Deixe uma resposta para Odonir Oliveira Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s